Notícias

Cenário e perspectivas para a construção civil em 2019

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

No Brasil, o ano de 2018 foi marcado pela agitação política, uma grave crise institucional que gerou incertezas sobre o futuro e o grande frenesi motivado pela aproximação das eleições presidências em meio a toda essa turbulência.

No cenário econômico essa excitação não foi a mesma. Houve recuperação da economia, mas muito aquém do que todos esperavam do mercado.

Na construção civil, o mercado também se comportou de maneira semelhante. Impactado pelo recuo de 2017, o setor pouco avançou em 2018 obtendo melhora na intenção de investimentos, mas com baixos índices, demonstrando que o mercado quer mesmo estabilidade para tais aplicações.

Para Dal Molin, do Sinduscon, existe convergência que haverá uma melhora no primeiro semestre, mas a segunda metade do ano terá maiores avanços. "Esperamos que 2019 seja bom e que o segundo semestre seja melhor que o primeiro. Já há empresas com projetos prontos para ampliar, apenas aguardando o cenário de estabilidade", garante. "Risco há", diz Dal Molin. "Mas risco sempre existe. O que fazemos é reduzi-lo”, comentouem entrevista ao Jornal do Comércio em 28/09/2018.

As expectativas também giram em torno do atual governo. Mudanças, por si só, já causam estranheza e a troca de governo não fica fora disso. Para alguns especialistas, o atual governo pode e deve ajudar fornecendo condições mínimas e necessárias para tratar bem o capital privado. Entre essas condicionantes estariam a segurança jurídica, crédito e planejamento confiável, tidos como fundamentais para desencadear investimentos e alavancar a retomada à passos mais largos.

Estudos recentes realizados pela ABRAMAT (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) revelam que o otimismo do mercado está em alta. Das empresas que participaram da amostra, 45% disseram estarem confiantes nas ações do atual governo federal para o setor da construção civil no próximos 12 meses.

Segundo o presidente da ABRAMAT, Rodrigo Navarro, as expectativas em torno do novo governo alimentam o otimismo. “Historicamente, o Termômetro da ABRAMAT só apontou este nível de otimismo em abril de 2012, com indicativos de 66%, e em setembro do mesmo ano, com 58%. Estas ocasiões foram impulsionadas por medidas como o lançamento de obras do PAC e do Minha Casa Minha Vida. Agora, a expectativa de estabilidade econômica e de medidas para a retomada do crescimento alavancam a confiança e o otimismo na indústria de materiais de construção”, afirma.

ENTRE EM CONTATO

CONOSCO

Deseja conhecer mais sobre nossos softwares?
Restou alguma dúvida? Quer sugerir algo?
Ficou interessado em nosssos serviços?

Assunto

Administrativo/Financeiro: (35) 3042-0479
Rua Pimenta de Pádua, 2384 - Lagoinha
São Sebastião do Paraíso / MG
37950-000
desenvolvimento MediaPlus